TJRN ganhará instrutores em mediação

A Unidade de Mediação do Tribunal de Justiça do RN (TJRN) ganhará em breve um quadro de instrutores. Eles terão a missão de passar adiante os conhecimentos da área e formar novos profissionais. O primeiro passo foi dado esta semana, quando quatro servidores participaram do curso de mediação e instrutoria em mediação judicial, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
Para que sejam reconhecidos como instrutores, os mediadores do TJRN terão de ministrar cinco cursos na área, aulas destinadas a novos profissionais no âmbito do Judiciário potiguar. “Fizemos a parte teórica e agora vamos passar para a prática”, frisou Kiara Cardoso, uma das servidoras da Unidade de Mediação do TJRN.
Com ela, foram a Brasília os mediadores Leila Macedo, Elbia Moura e Fabiano André. Eles atuam no Tribunal de Justiça do RN em áreas cíveis, criminais e também de família. As audiências ocorrem de terça a sexta-feira, no Fórum Zona Sul, na avenida Ayrton Senna. Ao todo, são 15 mediadores no TJRN, que atuam sob a coordenação da juíza Virgínia Rêgo. Os profissionais que participaram do curso do CNJ já haviam cumprido os pré-requisitos para o curso de instrutoria, que era o de haver ministrado pelo menos 10 mediações cíveis.
 
Entenda a mediação
 
Na mediação, as pessoas envolvidas buscam tratamento para o conflito contando com a ajuda de um mediador, terceiro, que não tem poder de decisão, mas que facilita a comunicação na busca da construção AUTÔNOMA, de uma resposta que satisfaça as partes.
Vantagens da mediação :
•Valoriza a Cidadania 
•Estabelece um clima de respeito
•Reforça a Cultura de paz e de diálogo
•Previne e reduz a violência
•Rapidez no tratamento dos conflitos
 
Como saber se é caso de mediação?
 
Qualquer conflito ou desentendimento pode ser mediado, desde que não haja perigo iminente e nem ameaças sérias entre as partes.
 
Entendimento
 
A mediação, por restabelecer um canal de diálogo, é recomendada em conflitos de duração continuada. Assim, são passíveis de mediação processos que envolvam :
- Guarda e visita de filhos
- pensão alimentícia, divórcio, divisão de bens
- sucessão
- dificuldade de convivência entre parentes
- cuidados com idosos
- questões de vizinhança e condomínios
- ações possessórias
Eventualmente, também podem ser objeto de mediação relações envolvendo direitos do consumidor, negócios e contratos entre particulares e ações de indenização.
 
O que faz um mediador?
 
O mediador atua como o interlocutor das partes que querem resolver os seus conflitos.
O mediador precisa ter: capacidade de escuta; capacidade de manter sigilo; imparcialidade, criatividade; capacidade comunicativa; conhecimento básico da legislação nacional; ética e conhecimento dos direitos humanos; sensibilidade; estilo cooperativo.
Os mediadores certificados pelo TJ estarão alinhados com o programa de mediação organizado de acordo com a política nacional de tratamento de conflitos, instituída pelo Conselho Nacional de Justiça.

Notícias Relacionadas

Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte - Praça 7 de Setembro, S/N, Natal/RN, 59025-300 - (84) 3616-6200