Policial Civil ganha direito a auxílio-natalidade

O juiz Valdir Lobo Maia, do 1º Juizado Especial da Fazenda Pública, determinou ao Instituto de Previdência do Rio Grande do Norte (Ipern), que promova o pagamento de auxílio-natalidade a uma agente de Polícia Civil. A servidora pública alegou que deu à luz em dezembro de 2010 e que o benefício lhe foi negado sob o argumento de que o auxílio-natalidade está suspenso por decisão do Estado.

A decisão do magistrado foi publicada no Diário da Justiça e foi proferida em caráter de mérito. Ou seja, é definitiva no âmbito do 1º grau. Ele destacou que a autora tem razão no pleito, conforme preceitua o artigo 161 da Lei Complementar n.º 270/2004.

[Com o benefício] não se promoveu tratamento diferenciado em relação aos servidores policiais civis e demais carreiras integrantes do funcionalismo público estadual. Apenas se assegurou a aplicação das regras e preceitos legais com incidência específica sobre os integrantes das funções da Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Norte”, disse ele. O valor a ser pago corresponde à menor parcela única da carreira.

(Processo n.º 0801222-18.2012.8.20.0001)

Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte - Praça Sete de Setembro, nº 34, Cidade Alta, Natal/RN, CEP 59025-300 - (84) 3616-6200