"Jardineiro Infiel": pedreiro que matou mãe e filha será julgado nesta quinta (25)

Publicado em Quinta, 25 Julho 2013 09:11

A 2ª Vara Criminal de Parnamirim confirmou, para a manhã desta quinta-feira (25), o julgamento do auxiliar de pedreiro João Batista Caetano Alves, acusado de matar uma mulher e a filha dela, em 7 de maio de 2012, em Nova Parnamirim. A audiência de instrução será feita pelo juiz Ricardo Cabral, que está substituindo a magistrada titular, Manuela de Alexandria.

Segundo dados colhidos junto à secretaria da Vara Criminal, é possível que a sentença seja dada ainda nesta quinta-feira, dependendo do que for obtido em depoimentos e em provas contidas no processo.

A secretaria do Fórum de Parnamirim confirmou o pedido de reforço ao 3º Batalhão da Polícia Militar, já que o crime causou grande comoção popular. No entanto, ao contrário do que se especulou, os acusados não irão a Juri Popular, por se tratar de um crime, a princípio, de latrocínio - o roubo seguido de morte.

Memória

O auxiliar de pedreiro, que também fazia serviços de jardinagem na casa das vítimas, confessou ter cometido os homicídios por raiva, por ter informações de que a vítima, Olga Cruz, desconfiava da honestidade dele.

De acordo com informações dadas à polícia, João Batista disse que cumpriu o serviço normalmente durante o dia, mas tirou satisfações com à vítima e, após discussões, começaram as agressões com uma faca que tinha na casa.

Depois de ter matado Olga, João relatou que esperou a filha dela chegar e que iniciou agressões ainda no carro que ela conduzia.

João Caetano está detido no Centro de Detenção Provisória da Ribeira e Marlene Eugênio Gomes, sua companheira, foi transferida do Centro de Detenção Provisória de Parnamirim, para outra unidade prisional por ter sido agredida pelas presas.

A denúncia do Ministério Público foi feita em 4 de junho de 2012 e recebida pela juíza Manuela de Alexandria no dia seguinte.