Violência escolar preocupa juízes da Infância e Juventude

Publicado em Segunda, 15 Julho 2013 11:13

O juiz titular da 3ª Vara da Infância e Juventude, Homero Lechner, ressaltou, na manhã desta segunda-feira (15) que um dos temas que mais têm preocupado as unidades que lidam diretamente com a criança e o adolescente é o atual cenário da violência que tem sido observado nas escolas públicas do Estado.

O tema tem sido discutido, em sucessivas reuniões, junto à Secretaria Estadual de Educação e outros parceiros, que buscam levantar ideias e metas, as quais resultem em um Plano de Ação que elimine ou, pelo menos, reduza a realidade que se observa no Rio Grande do Norte.

A discussão se justifica em acontecimentos como os que foram registrados em no último mês de maio, quando, em menos de 10 dias, duas trocas de tiros entre gangues rivais, próximas à Escola Municipal Raimunda Nogueira Couto, no bairro Santo Antônio, em Mossoró, foram registradas.

Em 12 de junho, um jovem de apenas 16 anos foi mais uma vítima da violência nas escolas, ao ser executado a tiros quando saia da escola em que estudava na cidade de Macaíba, a 22 quilômetros de Natal. Segundo informações, a vítima foi assassinada por outro menor, identificado por A.M.V.F.L. que tinha apenas 14 anos de idade.

O quadro ainda está sendo mapeado pelo Poder Judiciário, mas segundo o magistrado Homero Lechner, a proposta é elaborar ações de enfrentamento em uma das áreas que mais tem contribuído para o problema, que é a presença das drogas nas unidades escolares.

“Estamos ouvindo os conselhos tutelares, municipal e estadual, a PM, que tem o Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd), a Polícia Civil, entre outras instituições, como a Secretaria Municipal de Educação (SME), que é o ente que tem convocado essas reuniões”, explica o juiz, ao apontar, além das drogas, a presença do 'bullying', como fator de violência escolar.