Boletim - 05-04-2013 (2)

CÁRCERE PRIVADO É REALIDADE NO RIO GRANDE DO NORTE

O Juizado Especial da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, da comarca de Natal, vem registrando uma preocupante realidade: denuncias de mulheres mantidas em cárcere privado.

Segundo a própria titular da unidade judicial, a juíza Maria Socorro Pinto, apesar da porcentagem ser mínima, perto de 5% do total de ocorrências registradas semanalmente pelo Juizado, esse número não revela o cenário real do problema.

Ainda de acordo com a juíza, o alerta se justifica no fato de que essa porcentagem representa somente a parcela daquelas mulheres que conseguem escapar desta situação e chegar a uma delegacia ou a uma unidade judicial.

No último mês de março, uma adolescente grávida registrou que estava sendo mantida em cárcere privado, no conjunto Vale Dourado, zona Norte de Natal. O autor do crime, e pai da criança, também estava sendo investigado pela Polícia Civil pelo desaparecimento da mulher dele. A adolescente foi mantida presa durante nove meses e só conseguiu denunciar seu raptor ao chegar à maternidade para a realização do parto. 

 

Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte - Praça Sete de Setembro, nº 34, Cidade Alta, Natal/RN, CEP 59025-300 - (84) 3616-6200