TJRN abre oficialmente Ano judiciário

Publicado em Segunda, 07 Janeiro 2013 11:25

O novo presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, desembargador Aderson Silvino, empossado no último dia 4, abriu oficialmente o início das atividades no Poder Judiciário, em 2013. A sessão solene também serviu para a votação do juiz que ocupará, em caráter temporário, a vaga do desembargador Caio Alencar, sendo aprovado o nome do magistrado Dr. Gustavo Marinho.

O presidente da Corte ressaltou que o momento exige a união de todo o colegiado e fez questão de destacar que as novas nomeações se basearam em critérios impessoais. “Desta forma, toda decisão é para beneficiar o Poder Judiciário. Avaliamos a técnica e a experiência de cada secretário com o objetivo de fazer o Judiciário potiguar avançar”, comentou o presidente do TJRN, ao acrescentar que a gestão deve ser realizada com o apoio de todo o Colegiado.

A sessão solene contou com 12 dos 15 desembargadores que integram a Corte de Justiça Estadual. Dois desembargadores tiveram as ausências justificadas e a juíza Tatiana Socoloski deixou de ser a substituta na vaga do desembargador Caio Alencar. A magistrada assumirá a coordenação do Setor de Precatórios.

Para a desembargadora Maria Zeneide Bezerra, a meta principal deste ano e, de todo o biênio da nova gestão, é 'lutar por um tribunal cada vez mais forte', que esteja bem colocado entre os outros tribunais do país, como na realização de projetos sociais e no índice de celeridade processual.

Se estivemos em terceiro lugar, queremos chegar ao segundo tribunal mais bem avaliado do país e, quem sabe, o primeiro”, disse a desembargadora, em tom de entusiasmo, pouco antes do início da sessão.

A abertura das atividades também serviu para que o desembargador Virgílio Macedo manifestasse ter aceitado o cargo de vice-diretor da Escola de Magistratura, que terá o desembargador Expedito Ferreira como atual diretor.

Voto de pesar

Os desembargadores também propuseram um 'Voto de pesar' pelo falecimento, aos 84 anos de idade, do ministro José Fernandes Dantas, que era natural de Pau dos Ferros e integrava o Superior Tribunal de Justiça. Ele faleceu no último sábado (5), sendo considerado um dos membros mais respeitados do STJ.