Trabalho de digitalização de processos avança na 2ª instância do TJRN

Atuando na digitalização dos processos físicos relacionados à segunda instância da Justiça Estadual potiguar, a Secretaria Judiciária do Tribunal de Justiça do RN digitalizou e incluiu no sistema PJe um total de 2.098 processos físicos entre os dias 21 de janeiro e 31 de maio, média de 35,63 processos digitalizados por dia útil. Até o dia 5 de junho, o setor contabilizava outros 831 processos aguardando o procedimento, número que varia de acordo com o volume de recursos recebidos pelo TJRN.

A digitalização tem como alvo todos os processos com recursos de Apelações Cíveis remetidos para o Tribunal de Justiça pelas comarcas do Rio Grande do Norte, além das Remessas Necessárias. O objetivo do procedimento é cessar a existência de processos físicos na 2ª instância, consequência da adoção do sistema do Processo Judicial Eletrônico, o qual proporciona maior agilidade na tramitação processual.

Atualmente, treze pessoas estão envolvidas na digitalização dos autos físicos no Departamento de Autuação e Distribuição da SJ. O chefe da Divisão de Acompanhamento e Controle Processual, servidor Péricles Barbosa, ressalta que o trabalho depende de variáveis como o número de volumes e partes envolvidas. Ele exemplifica que o setor já se deparou com um processo de 39 volumes e 70 anexos. “Por envolver um idoso, era um processo prioritário. Levamos uma semana digitalizando apenas esse processo”.

Não é difícil encontrar processos volumosos na sala onde a equipe trabalha. Há vários deles nas prateleiras, aguardando ou já em alguma etapa do processo de digitalização, junto aos demais. Este é um dos desafios enfrentados pela equipe, além do volume de novos recursos que chegam a cada semana ao setor.

A unidade estabeleceu um fluxo composto de oito etapas para a digitalização dos autos físicos: recebimento e triagem, para verificar se há alguma prioridade em razão de idade ou doença; etiquetagem, quando recebe diversas etiquetas de acordo com as classificações das Tabelas Processuais Unificadas; higienização, quando são retirados clipes, grampos, marcadores de texto, páginas são desamassadas; digitalização propriamente dita e fracionamento dos autos em arquivos PDF; retorno para a higienização, quando as páginas que estão soltas são novamente reunidas nos autos; conferência, para verificar se o processo foi integralmente digitalizado, se há algum equívoco de numeração; cadastro, quando as informações processuais existentes no sistema PG-5 são replicadas para o PJe; e distribuição, quando o processo é finalmente remetido do 1º para o 2º Grau.

A equipe do Departamento de Autuação e Distribuição também divide as atenções com os processos físicos criminais (590 até o dia 5 de junho), os quais, por enquanto, ainda não tramitam no PJe e exigem outras providências do trabalho de secretaria. A nova versão do sistema PJe, com previsão de ser adotada pelo TJRN até julho, trará um módulo criminal permitindo a migração desses processos para o formato eletrônico.

Polos

Paralelamente, o Tribunal de Justiça trabalha para formar polos de digitalização na capital e no interior, de forma que o trabalho atualmente concentrado na Secretaria Judiciária seja feito já na primeira instância. “Com isso, poderemos nos voltar para o acervo específico do 2º Grau, que também é considerável”, aponta Péricles Barbosa.

Estão sendo formatados núcleos em Natal, Mossoró, Pau dos Ferros e Caicó. Inicialmente essas equipes estão voltadas para a digitalização de processos de execução penal, com vistas a alimentar o Sistema Eletrônico de Execução Unificado (SEEU) e cumprir o prazo estabelecido pelo Conselho Nacional de Justiça para a adoção integral dessa ferramenta. Após essa etapa, os polos assumirão a digitalização dos acervos das unidades locais e dos recursos a serem encaminhados ao TJ.

A meta estabelecida pelo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador João Rebouças, é zerar os processos físicos em tramitação, tanto na 1ª quanto na 2ª instâncias da Justiça Estadual potiguar, até outubro deste ano.
 

Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte - Praça Sete de Setembro, nº 34, Cidade Alta, Natal/RN, CEP 59025-300 - (84) 3616-6200