Esmarn: residente destaca esforço para conciliar estudos, cuidar da saúde do filho e concluir TCC

Nos dias atuais, pode-se perceber o aumento do número de mulheres que enfrentam uma dupla jornada de trabalho, muitas vezes precisando conciliar os cuidados com a família, trabalho e estudos de uma só vez. A aluna da Residência Judicial da Escola da Magistratura do RN (Esmarn), Aglene Arruda de Moreira Sotero, é um exemplo disto.

A residente enfrentou, durante parte do processo de construção da sua pesquisa empírica, como Trabalho de Conclusão de Curso, o dilema de conciliar o papel de mãe e cursar uma pós-graduação. Aglene iniciou a residência em março de 2018 e tinha planos de concluir os módulos R1 e R2, mas foi surpreendida quando soube que seu filho, Raziel, que tinha apenas 4 anos na época, precisaria ser submetido a uma cirurgia cardiovascular. Apesar das dificuldades, a residente decidiu terminar o R1 e se inscrever em regime de orientação para o desenvolvimento de seu projeto de TCC.

“Eu me vi numa situação de tomar uma atitude muito importante naquele momento, de escolher se eu iria continuar na residência ou se iria me dedicar 100% ao meu filho e à sua recuperação. Foi difícil, mas decidi não prosseguir no módulo prático do Programa (R2) e me dedicar mais ao Raziel. Então terminei as aulas do R1 no mês de agosto e submeti meu projeto de pesquisa para a elaboração do meu TCC”.

A escolha da orientadora aconteceu em sala de aula, quando cursava a disciplina de Metodologia da Pesquisa Jurídica ministrada pela professora Sara Andrade. “Me sinto bastante honrada de ter sido escolhida por ela, porque é uma grande profissional, uma pesquisadora madura, que trouxe uma proposta teórica e metodológica bem interessante para o Programa de Residência Judicial” relatou Sara.

Aglene se propôs a desenvolver um trabalho de pesquisa sobre a teoria dos precedentes e para isso precisaria coletar dados em uma vara cível não especializada, tendo como fim avaliar o impacto desse novo instituo na interposição de recursos e na duração dos processos. Para tanto, foi realizada uma análise comparativa de dois cenários, um cenário que antecede a vigência do novo CPC e o cenário que sucede essa vigência, reservando um recorte cronológico de 20 meses antes e 20 meses depois da vigência do novo código de processo civil.

A professora Sara destaca que a análise foi realizada com bastante rigor metodológico e estatístico, o que gerou um resultado bastante interessante para fazer uma análise de impacto desse instituto de precedentes no universo de pesquisa escolhido pela residente. “Para além de todas as questões acadêmicas Aglene sempre se posicionou de maneira muito séria e muito comprometida com o projeto de investigação. Eu diria que ela como aluna, mãe e investigadora conseguiu dar conta com muita dignidade, compromisso e qualidade de excelência de todos os desafios que enfrentou naquele momento”.

O Trabalho de Conclusão de curso de Aglene Sotero foi avaliado pela professora Sara Andrade, orientadora, pelo professor e magistrado, Ricardo Tinôco, avaliador interno, e pelo professor Matusalém Dantas, avaliador externo. Os membros da banca levaram em consideração tanto o processo de investigação quanto o produto final. “a defesa do TCC deixa de ser um mero exame para ser recebido como mais uma etapa de aprendizagem de cada residente.”

 

Com informações da Esmarn

 

 

Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte - Praça Sete de Setembro, nº 34, Cidade Alta, Natal/RN, CEP 59025-300 - (84) 3616-6200