TJRN propõe mudança de lei para ajuizamento de ações de execução fiscal em Natal

O presidente do Tribunal de Justiça do RN, desembargador Expedito Ferreira, se reuniu na tarde desta quinta-feira (13) com representantes da Prefeitura de Natal e da Câmara Municipal de Natal para apresentar um estudo encomendado à Universidade Federal do Rio Grande do Norte sobre o custo da cobrança de dívidas fiscais pelas vias judiciais – a chamada execução fiscal – e propor soluções para o aprimoramento deste procedimento.

O estudo concluiu que o ciclo médio de um processo de execução fiscal no município de Natal é de 9 anos e 2 meses e que ele custa à administração pública R$ 10.511,03. O levantamento foi realizado pelo Grupo de Pesquisa em Contabilidade e Avaliação Econômica e Financeira de Políticas Públicas, do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da UFRN.

O juiz auxiliar da Presidência, João Afonso Pordeus, explica que existe em Natal lei municipal que prevê o valor mínimo para a cobrança judicial de dívidas fiscais. De acordo com essa lei, o limite mínimo para cobrança do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) é de R$ 1.500 e o Imposto Sobre Serviços (ISS) é de cerca de R$ 5 mil. “A administração gasta cerca de R$ 10 mil por processo para receber na maioria das vezes um valor menor”, conclui o magistrado.

Durante reunião, o presidente do TJRN propôs ao Município que o valor mínimo fosse elevado para a faixa de R$ 10 mil, que é o custo de um processo de execução fiscal na capital. De acordo com a proposta, dívidas abaixo do valor seriam cobradas administrativamente.

“Isso não caracteriza renúncia de receita, mas para que a gente trabalhe de uma forma mais econômica com os processos nas Varas da Fazenda aqui do município”, destacou a secretária de Administração de Natal, Adamires França.

Entre as alternativas disponíveis para estes casos estão a conciliação extrajudicial, o parcelamento de créditos, o protesto extrajudicial da certidão de dívida ativa e a inclusão do devedor no CADIN e demais cadastros restritivos de crédito.

A mudança de lei proposta pelo Tribunal deve tramitar na Câmara Municipal. “Esse estudo vai ser enviado para possamos discutir com os pares e chegar a conclusão que é viável e portanto votar essa lei que é de vital importância para o Município”, observou o presidente em exercício da Câmara, vereador Sueldo Medeiros.

Efetividade

“ A Gestão Fiscal Efetiva, que foi lançada pelo Tribunal de Justiça e pelo Tribunal de Contas do Estado há 60 dias já está trazendo esses frutos. O principal é melhorar a arrecadação de todos os municípios do Rio Grande do Norte”, frisa o desembargador Expedito Ferreira.

Dos cerca de 800 mil processos em tramitação na Justiça Estadual potiguar, quase 240 mil - um quarto do total – tratam da cobranças de dívidas de contribuintes com o Estado do RN ou Municípios potiguares.

Mutirão

Para colaborar com as medidas alternativas, auxiliar a diminuição de processos congestionados e incentivar a conciliação, o Tribunal de Justiça vai promover em agosto um mutirão de execução fiscal com 1.500 processos pautados. Também estão agendados mais 49 mil processos extrajudiciais, os quais caso cheguem a acordo, evitarão novas ações na Justiça.

Além disso, o TJRN também busca implantar um Centro de Judiciário de Solução de Conflitos (Cejusc) específico para buscar conciliações na área da execução fiscal.

Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte - Praça 7 de Setembro, S/N, Natal/RN, 59025-300 - (84) 3616-6200